Quinta | 14 de Junho de 2018
A violência contra a pessoa idosa ameaça a longevidade

Viver situações de violência pode reduzir a longevidade das pessoas idosas. Os dados de 2017 do Disque 100 sinalizam que 49% das denúncias são contra filhos e 75% das violências acontecem na casa da vítima. São números altos e preocupantes, considerando que é sabido que as denúncias contra familiares tendem a não ser formalizadas pelo medo e insegurança vivida pelos idosos.

Os tipos mais comuns são financeira, física, sexual, psicológica e negligência e as condutas que as caracterizam podem ser, frequentemente, identificadas nas relações familiares, mas não serem interpretadas como violências, pois, em alguma medida foram incorporadas como parte dos conflitos aceitáveis no âmbito doméstico, como por exemplo: a não coparticipação nas despesas familiares, depois de acordado.

Outras formas de violência mais explícitas como ofensas, humilhações ou  desprezo, também são incorporadas nas relações como dificuldade de diálogo, histórico de desavenças ou mesmo como resposta ao abandono do idoso no passado. A violência sexual, ainda que menos frequente, pode se manifestar em abusos conjugais ou quando a pessoa idosa encontra-se com quadro demencial e vulnerável aos violadores.

As violências físicas ou de negligência são as mais evidentes, pois deixam marcas no corpo e sinais de alerta no ambiente no qual se vive. Machucados ou comportamento reticente do idoso são os primeiros sinais de que algo está errado.

Você sabe onde procurar ajuda?

Disque 100, atendimento 24h durante os 7 dias da semana. É um canal para denúncias anônimas e que articula ações de diferentes atores da rede de proteção à pessoa idosa.

Quem compõe a rede de proteção à pessoa idosa?

A rede de proteção à pessoa idosa é composta por um conjunto de órgãos e instituições públicas que tem funções diferentes. Na política de Assistência Social existem os CRAS e os CREAS, na política de Saúde, todos os serviços de saúde tem o compromisso ético de notificar suspeita de violência quando identificada em atendimento. O Ministério Público Estadual acolhe denúncias de violência contra idosos, em especial situações de abandono, maus tratos ou negligência perpetrados pela família ou por Instituições de Longa Permanência.

A Defensoria Pública é porta de entrada para orientações e ingressos de ações nas áreas de saúde, previdência como mecanismo para agilizar ou garantir o acesso a medicamentos, internações, cirurgias, benefícios, aposentadorias, pensões, ou em questões relativas à família no que se refere a solicitação de alimentos, interdições, etc.

Secretarias ou coordenações municipais para política do idoso, enquanto espaço de orientações e encaminhamentos de situações que dizem respeito ao idoso, na área de políticas públicas

Já o Conselho Municipal do Idoso é o espaço em que políticas públicas são propostas, mas também é o meio de fiscalização da execução das políticas municipais. Eventualmente acolhe denúncias de violência, o que o mobiliza a encaminhá-las para órgão de polícia ou Ministério Público. Delegacias especializadas ou Cartórios especializados. Espaço privilegiado para o acolhimento de denúncias, investigação e punição aos perpetradores da violência.

Michelle Clos - Assistente Social, consultora em longevidade e diretora técnica da Senescentis, empresa conveniada ao Sinapers.