De Que Vale Tudo Isso...
Quarta | 24 de Agosto de 2016
De Que Vale Tudo Isso...

Olhamos ao redor e não mais encontramos as pessoas, estão todos ausentes da vida real.
As redes sociais constituem-se na fuga perfeita para nossos incômodos existenciais. Podemos ficar horas experimentando uma vida imaginária ideal, sem dores físicas ou emocionais, sem dívidas, sem culpas e responsabilidades.

Soltamos a coleira do nosso ego e ele faz a festa em fotos e check ins em restaurantes, shoppings, cafés e viagens. Viagens, muitas vezes, mais fotografadas e postadas do que realmente vivenciadas. A vida real não pode ser “editada” ou maquiada. Na vida virtual eu sou sempre legal, não preciso escutar a história de ninguém, não tenho compromisso com nada. Sou top, sou vip. A vida real dá muito trabalho! Marcar médico, controlar o orçamento, superar conflitos, ligar para alguém e, simplesmente, ouvir o que ele tem a dizer. Viver exige presença. O distanciamento da vida real pode trazer alívios tão imediatos quanto ilusórios, mas, também, pode trazer a insensibilidade em relação a tudo, uma anestesia geral sensorial, um embotamento emocional, ou seja, abrimos mão da vida que vale ser vivida. De nada vale a vida sem o abraço completo, pleno e absoluto que diz: eu me importo contigo e agradeço pela sua presença em meu mundo. O abraço do filho, do pai, do amor, do melhor amigo. Quando somos tocados pelo amor, nos importamos com o outro, queremos ouvi-lo, queremos caminhar ao seu lado e construirmos caminhos, queremos construir o nosso Universo juntos. Não somos top nem vips, não somos nada sem os braços dados, para comemorarmos bons momentos e pra “segurar a onda” dos momentos difíceis. De que vale a vida se não for para estarmos juntos?
De que vale tudo isso, se você não está aqui?

De Que Vale Tudo Isso...
Katia Terraciano
Presidente