Segunda | 04 de Janeiro de 2021
Vamos virar esse jogo
Vamos virar esse jogo

O livro Notas sobre a pandemia, do historiador Yuval Noah Harari, aponta para a falta de líderes à humanidade. E é verdade, nunca estivemos tão sós e tão mal acompanhados ao mesmo tempo. Faltam lideranças e sobram más companhias. Estamos próximos do pavoroso número de 200 mil mortos no Brasil e isso parece ser banal para muita gente. Como diz o autor, parece não haver adultos na sala. Não acredito em castigo divino, assim como não acredito em milagre. Toda ação corresponde a uma reação e é isto o que estamos vivendo.

Não se preocupem, não vou dizer que o presidente é culpado pela pandemia, mas ele é culpado por promover políticas de destruição do clima, por estimular aglomerações e desestimular o uso de máscara e outros cuidados. Não é culpado  pela pandemia, mas ridicularizou as pessoas que se cuidam para evitar o contágio e para não contagiar outras pessoas. Não é culpado pela pandemia, mas fez do Ministério da Saúde seu pião, seu brinquedo preferido trocando de ministro como quem troca de camisa. Por último, e não menos grave, desacreditou e desqualificou as vacinas!

Hoje, 29 de dezembro, mais de 40 países já estão vacinando seus cidadãos e nós temos que ouvir aqui que quem toma a vacina pode virar jacaré! Como já disse, não acredito em milagres, mas acredito no resultado de nossas ações. Nada vai mudar para melhor se não abrirmos os olhos para nossos verdadeiros algozes. Tenho muita esperança, a esperança de que nossos esforços tragam resultados positivos. Nossa esperança tem que ser ativa, não passiva. Como posso implorar por saúde se me alimento mal, se sou sedentária? Rezar não baixa o colesterol. Como posso reclamar que ainda não encontraram a cura para o câncer, se tomo refrigerante com corante caramelo, bebo álcool além da conta e pito meu cigarrinho?  Meus filhos são tudo para mim, mas comem Nugget’s porque é mais prático. “Não suporto o cheiro do Fandangos, mas eles adoram, fazer o que?”

Canto bem alto nos aniversários: “que tu colhas, sempre todo dia, paz e alegria na lavoura da amizade!”  Para que tenhamos paz, precisamos de mandatários que não estimulem a guerra e a divisão. A alegria não entra em uma casa onde não há o que comer, o que vestir e com o que sonhar. Saúde e prosperidade combinam com emprego, renda digna, educação, alimentação e oportunidades. O bem-estar não entra pela janela, é preciso buscá-lo pelos cabelos. É preciso que a gente traga a beleza de volta para nossas vidas. A beleza não nos abandonou, nós é que baixamos a cabeça para chorar e não a levantamos mais. Nós somos os responsáveis, nós somos os adultos da casa e cabe a nós a liderança para trazermos de volta a poesia da vida para nossos dias. Nós somos luz, nós somos a antítese das sombras e vamos virar esse jogo!

Katia Terraciano - Presidente do Sinapers. 

Notas sobre a pandemia - e breves lições para o mundo pós-coronavírus - Yuval Noah Harari  - Editora Companhia das Letras